Neste blog, mais imagens do que palavras...
A fotografia é uma paixão que não requer ser cultivada, tão somente alimentada, pelo que uma imagem vale mais do que mil palavras!

In this blog, more pictures than words ...
The photography is a passion that does not require to be cultivated, nourished solely by that one picture is worth a thousand words!

SOMOS VISTOS E PROCURADOS NO MUNDO INTEIRO - ESTES OS PAÍSES QUE VISITAM O BLOG!

Flag Counter

sábado, 28 de abril de 2018

Drave a "aldeia mágica" desabitada, um local encantado que a todos desperta curiosidade...

Um lugar que nos faz sentir que estamos no lugar certo no momento certo, que a realização vem do balanço entre o dar e receber…
Situa-se no fundo de um encontro de vales entre as serras da Freita, de S. Macário e da Arada, a cerca de 600 metros de altitude.


Não é acessível de carro, o mais próximo que se chega por este meio é por um estradão de terra e muitas, muitas pedras com inclinação muito acentuada (algo arriscado ir até ao limite, mas é possível), sendo o restante (cerca de 700 metros) feito a pé por um caminho de pedra como a imagem acima demonstra. Não existe telefone, rede móvel (fraca da MEO), eletrecidade, água canalizada nem lojas, logo o dinheiro aqui de nada vale! A aldeia mais próxima é Regoufe a cerca de 4 quilómetros outra opção de acesso a pé de onde existe um caminho pelas encostas da serra até Drave e que é opção de muitas pessoas que visitam a aldeia.
Ao que se percebe, existem duas partes, uma que a imagem acima nos mostra e que seria onde viviam os habitantes e outra na imagem abaixo que presumo fosse para as alfaias  agrícolas e animais, podendo também lá ter eventualmente morado alguém.
A família Martins, Francisco e Maria, parece ter sido a que deu mais força à aldeia tendo chegado ao local e construído o seu solar no século XVIII. Os Martins persistiram até ao limite da existência de moradores e que ocorreu em 2000, na pessoa de Joaquim Martins. Existe na fachada do Solar uma lápide com a seguinte inscrição:
"Neste Solar dos Martins da Drave reuniram cerca de 600 dos seus parentes em 12-9-1946. A convite do Pe. João Nepomuceno Martins, Pároco de Carvalhais".
Manuel Martins da Costa é quem manda edificar a capela  de Nossa Senhora da Saúde em 1851. Para memória futura, estão também aqui duas lápides com inscrições. Por cima da porta principal "Nesta Capela do Solar dos Martins da Drave houve missa solene em 12-9-1946 pelos Martins vivos e defuntos. Foi celebrante o Pe. João Nepomuceno Martins, Pároco de Carvalhais. Assistindo cerca de 600 parentes".
Na lateral: "Por iniciativa de José F. Martins e esposa Maria N. Martins C. moradores em S. Pedro do Sul chegou o telefone a Drave a 15 de novembro e a energia solar a a 30 de dezembro de 1993. Homenagem a todos quantos tornaram possível este projecto. 17-03-1994". (Funcionou até ao ano 2000)


As casas são de xisto com telhados em lousa, salvo a capela que é caiada. Contudo, muitas já se encontram em ruínas o que é uma pena. Ao que se sabe, em certas alturas do ano, deslocam-se ao local escuteiros de Mafamude, Gaia e que vão realizando alguns trabalhos de conservação, mas ainda muito pouco, comparado com as necessidades.






Calcorreando os caminhos da aldeia, espreitando aqui e ali, tirando uma foto mais além, é certo que até podemos parar e pensar; afinal o que leva esta gente toda a vir aqui? Bom, de certa forma a curiosidade e é bem certo que uns somos mais que outros. A aldeia, convenhamos é fotogénica transmitindo esse aspeto mágico com que é reconhecida. 



Aliado a tudo que já foi descrito, temos recantos que são verdadeiros encantos, aqui a mãe natureza caprichou com alguma mão do homem à mistura. Pequenas cascatas e uma água transparente em tons esmeralda nos poços mais fundos, um verdadeiro oásis onde não faltam sombras e espaços para "piquenicar" e descansar sobre uma manta.  


Fui à descoberta de Drave no dia da Liberdade, 25 de abril de 2018. Foram muitas as pessoas que neste dia se deslocaram à aventura e a banhos, à descoberta ou simplesmente a repetir a façanha e que será também meu intento, sem qualquer sombra de dúvida. Também outras aldeias próximas mereceram a minha atenção, o meu olhar e em breve aqui chegarão, outras haverá que ficaram na lista para visitar futuramente. Até breve Drave!



57 comentários:

  1. Bom dia. Parabéns pelas fotos excelentes. Quanta beleza... :)) Adorei

    Bjos
    Votos de um bom Sábado

    ResponderEliminar
  2. Wuoanh wuoanh é uma beleza linda linda as fotos contam tanta coisa mais uma vez obrigada pela partilha mt bonita adorei parabens bjs bom fds

    ResponderEliminar
  3. Existem em Portugal lugares de um rara beleza. Impressionantes estas fotos.

    * Foi nosso amor ... deslapidada loucura. *
    .
    Fim-de-semana feliz.

    ResponderEliminar
  4. Immagini di luoghi sperduti in cui ritrovare il lato selvaggio della natura
    Un saluto,silvia

    ResponderEliminar
  5. Que beleza de fotos!! Obrigada pela partilha!!

    Especial:- Ciúme das Pétalas... {POETIZANDO...}
    .
    Beijinhos e um bom fim de semana

    ResponderEliminar
  6. Que belas imagens
    e que contam belas
    histórias.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  7. Como me gustan esos pueblos con sus casas de piedra, bonito lugar y muy bien fotografiado.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  8. Se ve todo precioso. Por aquí en las Hurdes hay pueblos parecidos. Muchos besos.

    ResponderEliminar
  9. Uma aldeia que desconhecia por completo... e que foi um verdadeiro prazer descobrir, através das tuas admiráveis fotos, Rui!...
    Uma série de imagens incrível!... E a penúltima foto... está um puro fascínio!
    Como sempre, um trabalho fotográfico, ao mais alto nível, Rui! Parabéns!
    Beijinho! Bom domingo e uma óptima semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  10. Sei que é um lugar mágico por isso quem sabe um dia me aventuro e conheço!!!
    Belos olhares!!!bj

    ResponderEliminar
  11. Que local incrível, temos realmente recantos muito bonitos.
    Todas as fotos estão lindas mas adorei a da cascata, está espectacular.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  12. Oh Rui, nunca tinha ouvido falar do lugar sequer. Adorei as imagens, sobretudo as finais. Que belo banho nessas águas tranquilas.
    Abraço
    Ruthia

    obercodomundo.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  13. Un lugar fantástico, con hermosas vistas.

    Besos

    ResponderEliminar
  14. Muito lindo esse lugar...Adorei as águas de lá! abraços, feliz MAIO que logo iniciará! chica

    ResponderEliminar
  15. Un estupendo viaje a través de tus fotografías,,,un saludo desde Murcia.

    ResponderEliminar
  16. Não há dúvida que tu dás-nos a conhecer terras maravilhosas a Norte.
    Um lugar magnífico com fotos excelentes, como já vai sendo teu hábito.

    Beijos Rui

    ResponderEliminar
  17. Rui belíssima a aldeia ela é fantástica lindas as fotos fiquei encantada com o post, Rui abraços.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  18. Não conhecia, as fotos estão lindas e aprendi muito hoje com este post! As últimas duas fotos estão um espanto. :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  19. Belas imagens. Não me importava nada de dar uma voltinhas por aí!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  20. Lindíssimo!
    Grata por nos deixar estas imagens. Um convite, um abrir de apetite a visitar.

    https://www.youtube.com/watch?v=0GJpOP5Leu4
    "Venho do alto dos montes
    De onde correm os rios
    Que te enchem o olhar

    Trago na mão dois destinos
    Uma cruz e um amigo
    Um pedaço de luar

    E estes dias serão mil anos
    Nas contas da tua vida
    E esta noite será eterna
    Uma chama que liberta o dia
    Partilhar o sol de todos os dias
    Descobrir um sentido pr'aqui estar
    E ao olhar o vale profundo
    O mundo gira invertido
    A vida toda num segundo
    E o céu agora é lá no fundo

    E ao olhar"

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  21. Qué pena encontrarse un lugar así deshabitado, se ve tan bonito.. y el entorno es maravilloso. Un saludo.

    ResponderEliminar
  22. Um trabalho fotográfico que apreciei deveras e que adoraria conhecer.
    Nem sabia da existência desta aldeia mas fiquei tão fascinada e curiosa que já fui pesquisar tudo o que há sobre a mesma.
    Todas as imagens estão com muita qualidade e gostei de todas, a penúltima é a minha preferida.
    Boa semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  23. ·.
    No es extraño que la llamen aldea mágica. Tal como tus fotos nos muestran bien vale la pena visitar el lugar, aunque haya que hacerlo a pie.
    La belleza del lugar bien merece la pena. Es una lástima que esté tan lejos de aquí.

    Un abrazo Rui

    La Mirada Ausente · & · Cristal Rasgado

    ResponderEliminar
  24. E qualquer dia serão muitas mais as aldeias abandonadas pois está tudo a abandonar as aldeias só se forem os estrangeiros a comprar, e barato!!!
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderEliminar
  25. Rui, que coisa maravilhosa! Realmente é de se refletir - o homem é "implanejável" por ser mortal. Ao olhar aquele arco de pedras suportando a ponte feito para a eternidade, foi efêmero ao uso. As habitações, doces lares, hoje ruínas sem razão de existir. O negócio é mesmo viver o aqui e agora. Como visual tudo é lindo, mas ao pensar, dói. Parabéns, Rui! Uma postagem soberba!... Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  26. Inacreditável que ainda existe um lugar assim...

    De queixo caído aqui. Impressionante!

    ResponderEliminar
  27. Lindo.
    Um local que gostaría de visitar. Já estive perto. O tempo não chegou.
    Aquela ponte e a cascata são tentadoras.
    Dida (https://florbytesemmeemoria.blogs.sapo.pt)

    ResponderEliminar
  28. Que pena que esteja desabitada e a ficar em ruínas. Já fui várias vezes ao S. Macário, mas não sei onde se situará.
    Abraço

    ResponderEliminar
  29. Adorei as imagens, mágicas =)
    Beijinhos,
    https://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  30. Apontadíssimo Rui! Não conhecia e fiquei apaixonada pelas fotos! Que boa partilha!
    Beijinho e bom fim de semana.
    Joana

    ResponderEliminar
  31. Passando a deixar um beijinho e os meu votos de um bom fim de semana...
    Esta semana, ouvi falar de Lamego, devido às corridas de cavalos de passo travado... acho que nunca tinha ouvido falar, por aí, de tal evento... :-)
    Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  32. Rui fiquei apaixonada pelo lugar ,seria um sonho um
    dia conhecer, amo,adoro tudo que é antigo, e fico imaginando
    as pessoas construindo esse lugar cheio de pedras, simplesmente divino
    parabéns pelas fotos .pra mim um lugar encantador adoreiiiiii
    Bjusss

    ResponderEliminar
  33. Passei para desejar um excelente fim de semana.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  34. Fantásticos registos!


    Convidamos a ler o capítulo XII do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
    https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/05/voar-sem-asas-capitulo-xii.html

    Votos de boa semana!
    Saudações literárias

    ResponderEliminar
  35. Vim até aqui através do Blogue Céus e Palavars da Chica e adorei tudo o que vi!
    Esta aldeia é uma pérola e a cascata uma maravilha.
    Magníficas as suas fotografias.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  36. Lindas fotos, Rui. São de uma beleza invulgar. Adoro estes espaços onde a Natureza fala por si. Parabéns. Beijinho da Grace. Volte breve...

    ResponderEliminar
  37. Já estive aí perto mas não desci. Que pena. Lugar lindo.

    ResponderEliminar
  38. Meu bom amigo Rui Pires, desde que te acompanho neste fantástico blog, e nunca deixei de me surpreender, mas esta aldeia mágica é de longe a atração mais viva para mim, para eu ver, é simplesmente fantástico, quase surreal, estou sem palavras para dizer, para apreciar em palavras. Já admirava teu olhar de lince, tuas belas fotografias deste Portugal tão encantador, tou fascinado por esta aldeia mágica, que lugar mais lindo...
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
  39. What a wonderful photos. Everything looks so lovely and different-looking.
    The white small chapel is lovely.

    ResponderEliminar
  40. Un lugar un tanto misterioso, pero lleno de encanto al que me gustaría visitar.
    Gracias por compartir tan bonito reportaje.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  41. Boa tarde, gosto de conhecer locais como a partilha, conhecer aldeias repletas de historia é fantástico pode apreciar as mesmas, as fotos são de elevada beleza, são lindas.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  42. Lindas imagens desta aldeia mágica que é Drave. Votos de uma feliz semana.

    ResponderEliminar
  43. Esse deve ser um lugar de muita beleza, mistério e histórias. Construções bem curiosas. Fotos maravilhosas.
    Beijo e boa semana Rui.

    ResponderEliminar
  44. E lá está a capelinha vestida de branco imaculado entre tanta pedra granítica. Quanta historia e segredos armazena estas pedras!
    Magnifica reportagem, e de grande beleza. Por fim assisti a algo que me fez ir muito anos para trás.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  45. Adorei essa aldeia antiga, em ruínas!! Quantos sonhos, quanta vida passou por ali! Assim, em ruínas mesmo achei um encanto, parece tão longe da civilização...
    Fantástico suas fotos, um banho de beleza! Parabéns, Rui!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  46. Um lugar do outro mundo...
    Fotos fantásticas, como sempre!

    Convidamos a ler o capítulo XIV do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas"
    https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/05/voar-sem-asas-capitulo-xiv_18.html

    Votos de bom fim-de-semana!
    Saudações literárias

    ResponderEliminar
  47. Que lugar interessante e lindo!
    Tem um mistério no ar...
    As imagens como sempre uma maravilha.
    Boa entrada de semana.

    ResponderEliminar
  48. Aproveitando que vim espreitar, se haveria novidades por aqui, deixo um beijinho e os meus votos de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  49. Imagens divinas! Fiquei fascinada. Viajamos através das suas imagens fotográficas. Simplesmente maravilhosas. Aplauso de admiração.
    Abraço poético amigo Rui.

    ResponderEliminar
  50. Eu disse que gostava de visitar. Visitei.
    Pretendo regressar. Para a aldeia o percurso fez-se a pé e o tempo "foi-se". Desceu rápido a noite.
    É um local mágico e fica-se com vontade de permanecer, quer a observar de longe, quer perdidos entre lajes de pedra, verde e o som das aves e da água.
    Dida (https://florbytesemmeemoria.blogs.sapo.pt)

    ResponderEliminar
  51. Este blogue é um tesouro. Já encontrei aqui vários lugares lindos que não conhecia!
    Vou imensas vezes à Serra da Freita e São Macário, fui duas vezes à Aldeia da Pena e pergunto-me como nunca vi Drave... Acho que vi a placa mas não chegamos a virar. Adorava ir conhecer. É incrível pensar que esteve habitada até ao ano 2000, assim sem acessos nenhuns... Parece um Vale Encantado :) É difícil ir até lá a pé com crianças? As descidas a pé de acesso a Drave são muito acentuadas e escorregadias?
    Obrigada
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato pelas palavras Sandra.
      Este é o mundo maravilhoso da blogosfera, vamos conhecendo lugares novos, pessoas, etc.
      Drave teve recentemente a sua festa, confira aqui: http://lamegoimage.blogspot.com/2018/08/drave-aldeia-magica-sem-habitantes.html

      É mesmo um vale ancantado... As crianças também vão, mas de carrinho ou se muito pequenas é mais complicado pois os carros só vão até um determinado ponto do estradão com terra e pedras e em alguns locais muito a pique... Depois são uns 700 metros de caminho também com bastante inclinação em alguns sitios, muitas pedras, mas chega-se... Isto pelo caminho mais perto. Se for por Regoufe, são cerca de 4 kms de caminho também complicado.
      No inverno é pior, pode-se tornar mais escorregadio, mas de verão é complicado pelo calor, muito cuidado e mantimentos, nomeadamente água!
      Disponha.

      Eliminar
    2. Essas pessoas são duma força e coragem notável, imaginar o caminho que os habitantes tinham que fazer sempre que precisavam de sair da povoação... fosse pelo que fosse. E nós hoje até elevadores queremos para não subir meia dúzia de degraus...
      Vou ter que ir a Drave
      Obrigada

      Eliminar