Neste blog, mais imagens do que palavras...
A fotografia é uma paixão que não requer ser cultivada, tão somente alimentada, pelo que uma imagem vale mais do que mil palavras!

In this blog, more pictures than words ...
The photography is a passion that does not require to be cultivated, nourished solely by that one picture is worth a thousand words!

Seguir este blog

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Vilarinho das Furnas, a aldeia submersa perdida no tempo, onde o tempo parou...⏱️🔎📕📸

Se a expectativa de regressar à barragem de Vilarinho das Furnas era muita, o desejo de ir ao local da antiga aldeia era ainda maior, aliado à curiosidade de saber em que cota estaria a albufeira neste ano de seca intensa. A 19 de novembro de 2017, o panorama era este que as imagens documentam. Confesso que foi um pouco de desilusão pois contava com um nível das águas bastante mais baixo de modo a poder ver a antiga aldeia na sua plenitude. 
 Ainda assim, após cerca de 2 kms de caminhada desde o paredão, deu para observar a parte mais cimeira de Vilarinho das Furnas, estando a restante submersa, local que como já referi parou no tempo e só não pára o tempo para quem por lá passa.
Hoje, um recanto em forma de baía praticamente isolado e perdido entre a Serra Amarela, a norte e poente, e a Serra do Gerês, a sul e nascente. Esta era uma aldeia conhecida pelo regime comunitário que funcionava autonomamente das leis gerais e nacionais. Quem as elaborava e as fazia respeitar era uma junta de seis elementos dirigida por um zelador. Essa junta era constituída pelos chefes de família eleitos onde o homem era preponderante. As mulheres poderiam ter assento na junta se fossem viúvas ou se o marido tivesse imigrado.
Vilarinho das Furnas, era habitada em 1970 por cerca de 250 pessoas, que tiveram de abandonar a povoação devido à construção de uma barragem em pleno rio Homem. Esta mesma foi inaugurada a 21 de maio de 1972. 
Nas imediações bem próximas, no limite da cota de água máxima, o verde musgoso sobressai por entre pedras que constituem muros de caminhos e delimitações térreas. Bancos e mesas persistem ao passar do tempo e certamente  guardam histórias e que só o silêncio agora os acompanha.
Antigos moinhos que digo eu, poderiam ser recuperados tendo em conta o potencial turístico que no local pode ser explorado, isto pela imensa procura em busca de conhecer o local.
Fica a promessa de voltar ao local, só não sabendo quando, tal como quando não se sabe em que altura poderão as águas baixar significativamente, talvez só numa futura ação de limpeza da barragem ou se a seca se prolongar, quem sabe...
O que resta de Vilarinho das Furnas em pleno coração do Gerês 45 anos depois de os seus habitantes terem sido obrigados a deixar tudo que era seu para trás. Alguns ainda são vivos!

29 comentários:

  1. No ano em que lá fui, não consegui ver nada senão a manta de água.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia a estória dessa aldeia. Devia ter sido um passeio lindo!

    ResponderEliminar
  3. Já fui e amei.
    Mesmo o caminho até lá é divinal.

    ResponderEliminar
  4. Uma pena mas é o progresso ... lindos olhares ... bj!

    ResponderEliminar
  5. Oh amigo Rui vire essa boca pra lá. Não vamos pensar no prolongar da seca mas rezar por chuva. Acho que se devia organizar uma dança da chuva, procissões ou o que mais a fé inspirasse para ver os leitos mais abundantes...
    Há muito tempo que não paro em Vilarinho. As fotos ficaram magníficas.
    Abraço, uma linda semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi meu intuito desejar que a seca se prolongue, longe disso.
      Relativo a rezas e afins... dizem que não é muito bom fazê-lo para com a chuva... pode ocorrer o que recentemente aconteceu na Grécia! Mas dizem...
      Obrigado Ruthia e esperemos que seca passe rápido e tudo regresse à normalidade!

      Eliminar
  6. Uma postagem muito, mas muito importante! Amei ler e apreciar esta beleza que, parou no tempo!!

    Beijinhos e uma tarde Feliz

    ResponderEliminar
  7. un reportaje muy actual pese a que evoca tiempos pasados. saludos

    ResponderEliminar
  8. Belíssima reportagem! Gostei muito.
    Voltarei.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia, é como a Aldeia da Luz! Lindas fotos. :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  10. Son preciosas las vistas que nos has ofrecido en tu reportaje .Es un lugar no muy conocido y que muy oportunamente hoy has dado a conocer.

    Besos

    ResponderEliminar
  11. Magnifica reportagem. Todas as fotos estão lindas mas a primeira está espectacular!!!
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  12. Buen reportaje Rui. Con tanta escased de agua, están volviendo a resurgir los pueblos que los pantanos inundaron,
    Besos.

    ResponderEliminar
  13. Es una pena la escasez de agua, Rui, pero eso permite que afloren esos pueblos que un día fueron tragados por ella, Bonito reportaje, con buenas fotos.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  14. mas que fotos lindas as cores sao lindas nao conhecia obrigado por mais uma maravilhosa partilha bjs

    ResponderEliminar
  15. Uma reportagem maravilhosa!
    Pena a seca, mas acredito que melhores dias virão.

    Beijos Rui

    ResponderEliminar
  16. Me arrepia quando alguém fala em barragem.
    Aqui no Brasil só causou desgosto e dor.
    Fica um rastro complicado.
    Mas a imagem que nos mostras são belas; amei a sensibilidade
    com as pedras; que quase ninguém vê k.
    Boa continuação de semana.
    PAZ E BEM.

    ResponderEliminar
  17. Gostei muito das fotos mas tenho que confessar que adorei a história :) cativou-me por completo...

    ResponderEliminar
  18. Bonito reportaje, me ha encantado. Un beso.

    ResponderEliminar
  19. Não conhecia a história desta aldeia, que interessante!
    Beijinho
    Joana

    ResponderEliminar
  20. Estive lá há cerca de 30 anos e o nível da água era muito inferior. Creio que na altura estava sem água para manutenção ou inspecção e não por falta de chuva.
    Há um livro interessante sobre o assunto, mas não me lembro do nome nem do autor...
    As fotos são magníficas, parabéns.
    Bom resto de semana, caro Rui.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  21. Rui a aldeia é maravilhosa muito bonito o lugar, belíssimas as fotos show, Rui abraços.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  22. Grata por esta extraordinária reportagem fotográfica, Rui, que mostra com tantos detalhes, o que ainda resta desta aldeia... da qual ainda se ouve falar bastante... mas que nem sempre se deixa ver!...
    Belíssimo também o suporte informativo que a acompanha! Adorei o post!
    Beijinho! Bom fim de semana! Vou-me ausentar por uns dias... mas conto estar de volta muito em breve... e ir espreitando as novidades, sempre que der...
    Ana
    Ana

    ResponderEliminar
  23. Uau! Desconhecia por completo. Que maravilha! Que bonito registo, Rui, como sempre aliás.
    Bom fim de semana!

    Beijinho d'

    A Marta
    https://amartaeumblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  24. Passei para deixar um abraço e votos de bom fim de semana

    ResponderEliminar
  25. Grandes fotos, como é habitual, bela reportagem. Sobressaem as ruínas das casas antigamente habitadas ( estas imagens fazem pensar no desassossego que aquelas pessoas terão sentido ao sair de casa e ao ver os seus lares submersos!) e os caminhos ladeados de muros cheios de musgo. Fantástico! Abraço.

    ResponderEliminar
  26. Lugar fantástico,Rui
    Passaria o tempo aí fotografando cada pedacinho rs
    Muito lindas suas fotos.
    Deixando um abraço

    ResponderEliminar