Neste blog, mais imagens do que palavras...
A fotografia é uma paixão que não requer ser cultivada, tão somente alimentada, pelo que uma imagem vale mais do que mil palavras!

In this blog, more pictures than words ...
The photography is a passion that does not require to be cultivated, nourished solely by that one picture is worth a thousand words!

Seguir este blog

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Mais que um grande amigo, a perda de um grande Homem...

Foi com grande pesar e consternação que se soube do falecimento de D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto, na manhã do passado dia 11 de setembro. Encontrava-se na Casa Episcopal, onde residia, quando um ataque cardíaco fulminante lhe roubou a vida. Nasceu em Tendais – Cinfães (Diocese de Lamego), a 29 de agosto de 1948, contando portanto, 69 anos de idade.

A sua Ordenação Presbiteral ocorreu a 8 de dezembro de 1972. Foi Ordenado Bispo a 19 de março de 2005 na Sé Catedral de Lamego, sendo que, já em dezembro de 2004 havia sido nomeado Bispo Auxiliar de Braga, pelo então Papa João Paulo II. A 21 de setembro de 2006, foi nomeado Bispo de Aveiro, pelo Papa Bento XVI, diocese em que esteve cerca de 8 anos. Em 21 de fevereiro de 2014, sucedeu a D. Manuel Clemente como Bispo do Porto. D. António formou-se em Teologia no Seminário Maior de Lamego, terminando os estudos em 1971. Estudou também Sociologia Religiosa e Filosofia, em Paris, tendo também trabalhado na paróquia de S. João Baptista de Neuilly-Sur-Seine, local onde assumiu a responsabilidade pastoral da comunidade portuguesa emigrada.
No regresso ao seu país, foi professor no seminário de Lamego, foi chefe de redação do jornal diocesano “Voz de Lamego”. Em 2004, foi nomeado pró-vigário geral da diocese e também deu aulas no Instituto Superior de Teologia do Núcleo Regional das Beiras, da Universidade Católica Portuguesa. Na Conferência Episcopal Portuguesa, era atualmente o presidente da comissão episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana.
Na sua primeira homilia enquanto Bispo do Porto, D. António referiu que “Os pobres não podem esperar”, lembrando haver necessidades de prioritária intervenção, como a alimentação, a saúde, a habitação. A sua especial atenção aos mais frágeis é uma imagem que perdurará eternamente a si relacionada. O contacto com os jovens foi outra das suas constantes preocupações em diversas ações, nomeadamente na ideia de importar do Brasil a Cristoteca, quando a Diocese de Aveiro fez 75 anos, levando “tendas cristãs” às praias.
Dois dias antes à sua morte, sábado, esteve em Fátima a presidir e acompanhar a peregrinação diocesana.
D. António Francisco dos Santos, era um homem muito ligado a Lamego e às suas gentes pelo que é natural que seja mais que muita a saudade e vazio que deixa a todos com quem privou e, em cada um deles, um amigo. Um ser maravilhoso, com um constante sorriso nos lábios, esse mesmo sorriso e a amizade que ficará connosco para sempre, com a certeza da sua inesgotável prontidão para ajudar os que mais precisam. Sublime a sua forma de usar as palavras em cada momento, de forma delicada e carinhosa para com cada qual.
Todos guardaremos, deste nosso amigo, a ternura com que a todos tratava, as suas lições, a disponibilidade, o incentivo, o carinho, a pedagogia, o saber ser e o saber estar, o escutar e tantos outros adjetivos que se poderiam ligar a este grande homem que jamais o sentiremos longe dos nossos corações!

Na vida de cada um, para a vida permanecerá!
Até sempre estimado amigo.
Rui Pires

7 comentários:

  1. Uma perda a lamentar e que Deus o tenha em paz!!!

    ResponderEliminar
  2. Sinto muito, com certeza Deus o esperava de braços abertos...
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
  3. Lamento muito a perda do seu amigo! Ficam as boas recordações, que são muitas, e todas as suas atitudes admiráveis.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Mais um GRANDE HOMEM se perdeu

    PAZ Á SUA ALMA

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Embora não conhecesse o bispo, é sempre de lamentar a sua morte. Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  6. Uma homenagem notável, Rui!
    Confesso, que não conhecia muito a sua obra... pelo que fiquei bastante elucidada, através das tuas palavras... e fiquei com a noção de que seria realmente um grande homem... uma pessoa boa... e um bom amigo...
    Lamento, Rui! Certamente partiu... para uma outra missão, de enorme relevância, algures... num plano diferente...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar